PUBLICAÇÃO

A MRS sabe compartilhar

 

Em setembro faz 22 anos que a MRS arrendou uma parte da malha ferroviária brasileira, estranhamente dias antes do leilão o trem barrinha, parado em um sinal, foi abalroado por trás, por um cargueiro, e com isso a linha de passageiros foi suspensa. Dois anos depois, um mês antes de suas atividades começarem, o trem de Prata que ligava o Rio a São Paulo foi retirado de circulação. Assim a MRS começou a transportar minério, sem ter de compartilhar a linha com trens de passageiros. Desde este inicio todas as tentativas populares no sentido da volta do trem barrinha foram negadas, tanto pelas autoridades Estaduais, e pela MRS.  

Trem Barrinha é um apelido carrinhoso que o povo deu ao trem que ligava Barra do Piraí a Japeri, e que trouxe graves consequências para as cidades que ficaram orfãos de seus trens. Embora funcionasse apenas 3 vezes ao dia, o Barrinha era a via do desenvolvimento do morador de onde ele passava, um trem de trabalhadores e estudantes. 

Mendes, e Paulo de Frontin tem hoje crescimento populacional igual a zero, e há dez anos que Barra do Piraí sonha em chegar a 100 mil habitantes, e só agora atinge 95 mil. Sem poder ir trabalhar em outra cidade, já que quem paga esta passagem é o patrão, e hoje as empresas só dão de vale transporte o valor modal de um municipio, só resta ao trabalhador mudar para poder lutar para seu sustento já que as passagens de ônibus tem um valor muito acima da capacidade orçamentária de quem trabalha. E o fator financeiro impede também o deslocamento para cursos de especialização, ou de formação de seus filhos.

Mas os problemas não são só estes, ainda tem o pó de minério que se espalha por todo seu caminho, fato que trataremos em outra matéria. Então sem emprego, sem ter uma formação profissional, e respirando pó de minério, restou a população, vir tentar a sorte na Capital, onde a vida empurra estas pessoas para viver nas ruas e nas comunidades, aumentando o caos que cresceu na crise.

Em novembro do ano passado estive em São Paulo, e sem querer, acabei descobrindo que em alguns ramais do suburbio o trem de carga compartilha a  linha com o trem de passageiro, tudo convivendo em harmonia há quase 22 anos. No Rio não pode porque as autoridades não impoem  o direito universal de ir e vir, e cabe ao povo esciolher melhor seus representandes, para que suas aspirações sejam atendidas, e possa voltar a ser feliz. Veja o vídeo... 

 

 No Site Instituto Amigos da Web tem 6 vídeos feitos, onde a gente conta a saga do Trem Barrinha, do acidente, aos dias de 2015 comparando como era e como estava neste ano. Depois estes vídeos ficaram mudos porque a música entrou na novela, mas hoje estou resonorizando estes vídeos.

Não é uma série, como fizemos em 2015, mas vamos continuar a mostrar os problemas que o arrendamento causa a população. Não queremos o fim do trem de carga, queremos o compartilhamento como é feito em São Paulo, o povo tem o direito de lutar para ser feliz, e não de mudar e ficar a mercê da sorte, longe de suas raízes.

23/05/2018 13:17

Deixe seu comentario:

R.A.W. - Portal de Notícias Revista Amigos da Web.
Jornalismo independente da política à cultura, em vídeos, fotos, e artigos. A mídia de tudo, para todos.

© 2007 - 2017 Todos os direitos reservados. Design by: Realidade Virtual